terça-feira, 9 de maio de 2017

Buda e a Flor de Lotus

Buda reuniu seus discípulos, e mostrou uma flor de lótus - símbolo da pureza, porque cresce imaculada em águas pantanosas.

- Quero que me digam algo sobre isto que tenho nas mãos - perguntou Buda.

O primeiro fez um verdadeiro tratado sobre a importância das flores.

O segundo compôs uma linda poesia sobre suas pétalas.

O terceiro inventou uma parábola usando a flor como exemplo.

Chegou a vez de Mahakashyao. Este aproximou-se de Buda, cheirou a flor, e acariciou seu rosto com uma das pétalas.

- É uma flor de lótus - disse Mahakashyao. Simples e bela.

- Você foi o único que viu o que eu tinha nas mãos - disse Buda.

(Em homenagem a Buda, pela passagem de mais um Wesak - Festival anual regido pela lua, que este ano cai no dia 10 de maio)

domingo, 7 de maio de 2017

Os Sons do Silêncio

Um rei mandou seu filho estudar no templo de um sábio mestre com o objetivo de prepará-lo para ser um grande líder. Quando o príncipe chegou ao templo, o mestre o mandou sozinho para uma floresta. Ele deveria voltar um ano depois, e descrever todos os sons da floresta.

Quando o príncipe retornou ao templo, após um ano, o mestre lhe pediu para descrever todos os sons que conseguira ouvir. Então disse o príncipe: "Mestre, pude ouvir o canto dos pássaros, o barulho das folhas, o alvoroço dos beija-flores, a brisa batendo na grama, o zumbido das abelhas, o barulho do vento cortando os céus..." E ao terminar o seu relato, o mestre pediu que o príncipe retornasse à floresta para ouvir tudo o mais que fosse possível.

Apesar de intrigado, o príncipe obedeceu a ordem do mestre, pensando: "Não entendo, eu já distingui todos os sons da floresta..."

Por dias e noites ficou sozinho ouvindo, ouvindo, ouvindo... mas não conseguia distinguir nada além daquilo que já havia relatado ao mestre. Porém, certa manhã, começou a distinguir sons vagos, diferentes de tudo o que ouvira antes. E, quanto mais prestava atenção, mais claros os sons se tornavam. Uma sensação de encantamento tomou conta do rapaz. Pensou: - "Esses devem ser os sons que o mestre queria que eu ouvisse..." E sem pressa, ficou ali ouvindo e ouvindo, pacientemente. Queria ter certeza de que estava no caminho certo.

Quando retornou ao templo, o mestre lhe perguntou o que mais conseguira ouvir. Paciente e respeitosamente, o príncipe falou: "Mestre, quando prestei atenção pude ouvir o inaudível som das flores se abrindo, o som do sol nascendo e aquecendo a terra e o da grama bebendo o orvalho da noite...

Sorrindo, o mestre acenou com a cabeça em sinal de aprovação, e disse: 

"Ouvir o inaudível é ter a calma necessária para se tornar uma pessoa importante. Apenas quando se aprende a ouvir o coração das pessoas, seus sentimentos mudos, seus medos não confessados e suas queixas silenciosas, uma pessoa pode inspirar confiança ao seu redor; entender o que está errado e atender às reais necessidades de cada um”. E acrescentou: 

"A morte de uma relação começa quando as pessoas ouvem apenas as palavras pronunciadas pela boca, sem se atentarem no que vai no interior das pessoas para ouvir os seus sentimentos, desejos e opiniões reais. É preciso, portanto, ouvir o lado inaudível das coisas, o lado não mensurado,mas que tem o seu valor, pois é o lado mais importante do ser humano..."

quinta-feira, 30 de março de 2017

A Lenda da Linha Vermelha

“Você nunca poderá escapar de seu coração, então é melhor ouvir o que ele tem a dizer…” – Paulo Coelho, “O Alquimista”

De acordo com uma lenda Oriental, as pessoas destinadas a se conhecerem têm uma linha vermelha amarrada em seus dedos. Esta linha nunca vai embora e fica constantemente amarrada, apesar do tempo e da distância. Não importa o quanto demore para conhecer essa pessoa, não importa o tempo que você passe sem vê-la, e também não importa se vive no outro lado do mundo: o fio estica-se ao infinito, mas nunca se parte.
Este fio está com você desde seu nascimento e te acompanhará, em maior ou menor tamanho, mais ou menos emaranhado, ao longo de toda sua vida. Assim, o Avô da Lua sai toda noite para se encontrar com os recém-nascidos e amarrar uma linha vermelha em seu dedo, uma linha que vai decidir seu futuro, que irá orientar estas almas para que nunca se percam … A lenda segue assim:

“Há muito, muito tempo atrás, um imperador aprendeu que em uma das províncias do seu reino vivia uma bruxa muito poderosa que tinha a capacidade de ver o fio vermelho do destino, e mandou trazê-la a sua presença. Quando a bruxa veio, o imperador ordenou-lhe olhar a outra extremidade do seu fio e levá-lo para o que seria sua esposa. A bruxa concordou com este pedido e começou a seguir e seguir o fio. Esta busca os levou a um mercado, onde uma pobre camponesa com um bebê nos braços oferecia seus produtos. Ao chegar onde estava esta camponesa, se colocou frente a ela e convidou-a a ficar de pé. Quando o jovem imperador se aproximou, a bruxa disse.. “Aqui termina a sua linha “, mas ao ouvir isso o imperador ficou com raiva, pensando que a bruxa estava fazendo uma piada, empurrou a camponesa que ainda estava segurando seu bebê em seus braços e a fez cair, causando uma grande ferida no rosto do bebê. Ordenou que seus guardas prendessem a bruxa e cortassem sua cabeça.

Muitos anos mais tarde, chegou a hora de o imperador casar-se, e sua corte o recomendou que a melhor coisa era se casar com a filha de um general poderoso. Ele aceitou e chegou o dia do casamento. E na hora de ver pela primeira vez o rosto de sua esposa, que entrou no templo com um belo vestido e um véu que cobria seu completamente rosto … viu que aquele rosto bonito tinha uma cicatriz peculiar na testa.”

Esta lenda é tão enraizada nas culturas orientais que milhões de pessoas carregam consigo uma verdadeira linha vermelha.

Uma linha vermelha a qual não podemos impor os nossos caprichos e nossa ignorância, uma linha vermelha que não podemos destruir. Um linha vermelha que vai direto ao coração, que se conecta ao amor eterno. O amor de uma mãe, um pai, um irmão, um filho, um amigo, um homem ou uma mulher … Um fio vermelho que simboliza o amor e interesse comum … Cada um interpreta como quiser, mas muitas vezes as casualidades são tão fortes que não deixam dúvidas … Se chamam almas gêmeas, corações entrelaçados com uma ou várias eternidades para viver …

Fonte: 

terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

O Ego e o Sorvete

“A felicidade não é algo que se tenha que adquirir. Você é sempre a felicidade. Esse desejo nasce da sensação de estar incompleto. Para quem existe essa sensação de estar incompleto? Investigue. Você está feliz quando dorme profundamente. Agora não está. O que interferiu entre essa felicidade e esta infelicidade? O ego. Procure a sua origem e descubra que você é a Felicidade.”

(Ramana Maharshi)

Um teste para o ego com sabor de chocolate

Joel havia chegado já fazia três anos a uma das comunidades budistas mais antigas do Tibete, e ali almejava ser treinado para se transformar em um monge exemplar.

Todos os dias, na hora do jantar, perguntava ao seu mestre se no dia seguinte aconteceria a cerimônia da sua ordenação. “Você ainda não está pronto, primeiro precisa trabalhar a humildade e dominar o seu ego”, respondia o seu mentor.

Ego? O jovem não entendia por que o mestre se referia a seu ego. Achava que merecia ascender no seu caminho espiritual já que meditava sem cessar e lia diariamente os ensinamentos de Buda.

Um dia, o mestre imaginou um jeito de demonstrar aos seu discípulo que ele ainda não estava pronto. Antes de iniciar a sessão de meditação anunciou: “Quem meditar melhor terá como prêmio um sorvete”. De chocolate”, acrescentou o ancião.

Logo após um breve alvoroço, os jovens da comunidade começaram a meditar. Joel queria ser o melhor a meditar dentre todos os seus colegas. “Dessa forma, mostrarei ao mestre que estou preparado para a cerimônia. E poderei tomar o sorvete”, concluiu o discípulo.

Joel conseguiu se concentrar na sua respiração, mas ao mesmo tempo visualizava um grande sorvete de chocolate que ia e vinha como se estivesse em um balanço. “Não é possível, preciso parar de pensar no sorvete ou outra pessoa vai ganhá-lo”, repetia para si mesmo.

Com muito esforço, Joel conseguia meditar por alguns minutos nos quais simplesmente seguia o compasso da sua respiração, mas logo em seguida imaginava um dos monges tomando o sorvete de chocolate. “Droga! Sou eu que preciso conseguir esse sorvete!”, pensava o jovem angustiado.

Quando a sessão acabou, o mestre explicou que todos tinham feito bem a tarefa, exceto alguém que havia pensado demais no sorvete, isto é, no futuro. Joel se recompôs antes de falar:

– Mestre, eu pensei no sorvete. Eu admito. Mas como você pode saber que fui eu quem pensou demais?

– Não tenho como saber. Mas posso ver que você se sentiu tão afetado a ponto de se levantar e tentar se colocar por cima dos seus colegas. Assim, querido Joel, é que age o ego: sente-se atacado, questionado, ofendido… e quer ter sempre razão no jogo de ser superior aos outros.

Naquele dia, Joel aprendeu que ainda tinha um longo caminho a percorrer. Trabalhou a sua humildade e os impulsos do ego. Viveu no presente e procurou não ficar por cima dos outros. Também entendeu que não lhe convinha se identificar com suas conquistas.

Assim, com trabalho e paciência, chegou o grande dia. Foi aquele no qual o mestre bateu à sua porta para lhe anunciar que finalmente estava preparado para o que tanto havia almejado.

Quando chegou no templo não encontrou ninguém ali. Apenas uma pequena plataforma e sobre ela… um sorvete de chocolate. Joel pôde apreciar o sorvete agradecido, sem se sentir decepcionado. E em seguida, foi ordenado monge.

Cada pessoa tem o seu próprio sorvete de chocolate: aquilo que almeja alcançar. O problema está em ter a mente posto nele, nos impedindo de desfrutar o presente.

Tendemos a confundir nossas conquistas com nosso valor e a nos identificarmos com elas. O ego se encarrega de nos empurrar a desejar ficar acima dos outros e a nos ofendermos se alguém nos aponta algum erro.

Se conseguirmos detectar nosso próprio ego e desativá-lo, automaticamente abandonamos a necessidade de criticar, discutir, competir ou julgar. Assim, nos desfazemos do papel de vítimas, do sofrimento que representa não cumprir com as demandas do ego… E conseguiremos desfrutar dos sorvetes!

Fonte:

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

Servir

Havia um rei que perguntava aos sábios e eruditos que chegavam à sua corte: “Qual é o melhor serviço e qual é o melhor momento para fazê-lo?” Durante muito tempo não pôde obter nenhuma resposta satisfatória.

Um dia, enquanto perseguia as forças de um rei rival, se viu separado de suas tropas, na espessa floresta; cavalgou um bom tempo, cansado e faminto, até que chegou a uma capela. Ali havia um velho monge que o recebeu bondosamente e lhe ofereceu uma vasilha com água fresca. Depois de um breve descanso, o rei formulou ao anfitrião a pergunta que o atormentava: “Qual é o melhor serviço?” O eremita disse: “Dar a um homem sedento uma vasilha com água”. “E qual é o melhor momento para fazê-lo?” A resposta foi: “Quando ele vem de longe e sozinho buscando algum lugar para obtê-la”.

O ato de serviço não deve ser julgado pelo seu custo ou por sua publicidade; pode ser apenas o oferecimento de um pouco d’água no interior de uma floresta.

A necessidade de quem recebe, a atitude de quem oferece - é isto que decide se a ação é de ouro ou de chumbo.

(Sathya Sai Baba – extraído do Eterno Condutor, setembro de 1990)

"Qual é o melhor serviço" é uma dúvida que muitos têm. Algumas pessoas ficam esperando aparecer algo grandioso para poder se sentir servindo. E enquanto esse algo grandioso não aparece, ficam sem fazer nada...

Tudo é serviço. Quando o buscador se oferece como cocriador do Plano Divino, torna-se um servidor até mesmo quando está - aparentemente - sem fazer nada. Porque há várias formas de se ficar sem fazer nada. Pode-se dar asas à imaginação e ficar ruminando coisas que já passaram ou coisas que virão, por exemplo. E pode-se utilizar a imaginação criativa para estar sempre alerta, vigiando os pensamentos e produzindo mentalizações positivas!
O que importa, no fundo, não é o que se está fazendo - é como se está fazendo. A mais simples das tarefas pode ser enfadonha ou repetitiva e pode ser transformada em meditação . O que muda é a atitude de quem a faz.

A vida é inteligente e vai nos colocando situações com as quais precisamos lidar. Não adianta se revoltar com as situações. Quanto mais nos revoltamos, mais situações parecidas aparecem. O buscador inteligente é aquele que sabe transformar as situações simples do cotidiano em algo grandioso. Se no momento a tarefa é simples como lavar um prato, ele estará presente ali, fazendo o melhor que pode. Isto é serviço.

sábado, 14 de janeiro de 2017

Aperfeiçoamento

Um praticante certa vez perguntou a um mestre Zen, que ele considerava muito sábio:

- Quais são os tipos de pessoas que necessitam de aperfeiçoamento pessoal?
- Pessoas como eu - Comentou o mestre. O praticante ficou algo espantado:
- Um mestre como o senhor precisa de aperfeiçoamento?
- O aperfeiçoamento - respondeu o sábio - nada mais é do que vestir-se, ou alimentar-se...
- Mas - replicou o praticante - fazemos isso sempre! Imaginava que o aperfeiçoamento significasse algo mais profundo para um mestre!
- O que achas que faço todos os dias? - retrucou o mestre - A cada dia, buscando o aperfeiçoamento, faço com cuidado e honestidade os atos comuns do cotidiano. Nada é mais profundo do que isto.